Escândalo da soja: comerciante norte-americano no centro da investigação sobre desmatamento ilegal na Amazônia brasileira

Sydney Jones

Press Secretary

[email protected]

Carole Mitchell

Sr. Director Communications

[email protected]

 

Link to report here 

Link to video here  

Novo relatório da Mighty Earth mostra que a gigante de commodities agrícolas Cargill comprou de uma fazenda que queimou 400 hectares de floresta tropical para cultivar soja. 

Um novo relatório da Mighty Earth liga a gigante norte-americana de commodities Cargill a recentes incêndios ilegais e ao desmatamento de 400 hectares da floresta amazônica brasileira, equivalente a 560 campos de futebol e à perda de mais de 220.000 árvores e inúmeras espécies. Durante nove meses, a investigação mapeou a cadeia de fornecimento de soja desde a fazenda na Amazônia, passando pela gigante agrícola norte-americana Cargill, até os produtores de carne no Reino Unido e, finalmente, até as prateleiras da maior rede de supermercados do Reino Unido, a Tesco.  

A investigação conjunta da Mighty Earth, Ecostorm e Repórter Brasil documenta evidências de incêndios ilegais ocorridos em setembro de 2022, usados para limpar florestas para cultivar soja rica em proteínas, para alimentar aves e porcos criados em sistemas industriais intensivos no Reino Unido. A fazenda brasileira em questão, Santa Ana, localizada em Mato Grosso, já havia sido bloqueada como fornecedora da Cargill, mas na época da investigação foi dito pela Cargill que cumpria as regulamentações para evitar o desmatamento. Nossa investigação também descobriu evidências de lavagem de grãos, onde a soja cultivada legalmente é misturada com a soja plantada em terras desmatadas ilegalmente. 

Nosso relatório destaca que os incêndios ilegais e o desmatamento florestal na fazenda Santa Ana violam a Moratória da Soja na Amazônia, que proíbe a venda de soja cultivada em terras desmatadas após 2008, as leis brasileiras e as próprias políticas da Cargill.  

Principais conclusões:  

  • Imagens de satélite da fazenda Santa Ana, fornecedora da Cargill, situada em Mato Grosso, mostram um total de 635 hectares de desmatamento da Amazônia, dos quais 400 hectares foram queimados em poucos dias em setembro de 2022. Isso equivale a 560 campos de futebol.  
  • Nossa investigação mapeia a cadeia de fornecimento de soja da fazenda Santa Ana, em Mato Grosso, através das instalações da Cargill no porto de Santarém, no Pará, para o Reino Unido e destaca o risco de contaminação por desmatamento do fornecimento brasileiro de soja da Cargill, que representa 70% do total de importações de soja para o Reino Unido.  
  • Nossa investigação mapeia vários fornecedores – aumentando o risco de a soja contaminada com o desmatamento chegar às prateleiras de carne do maior varejista do Reino Unido, a rede de supermercados Tesco.  

Monitoramento de desmatamento falho da Cargill 

A Cargill insiste que tem procedimentos robustos para evitar que o desmatamento entre em sua cadeia de fornecimento de soja e para que as fazendas cumpram a Moratória da Soja e os embargos de agências federais e estaduais no Brasil. Sustenta que, quando a fazenda Santa Ana foi adicionada à lista proibida da Moratória da Soja em maio de 2021, a Cargill imediatamente bloqueou as compras da fazenda em questão. No entanto, a Cargill diz que desbloqueou a fazenda em junho de 2022, apenas alguns meses antes de mais 400 hectares de desmatamento ocorrerem.  

Em uma declaração recente à Mighty Earth, a Cargill disse: “Conforme relatado em nosso Relatório de Soja, uma vez que uma fazenda é bloqueada, há um processo robusto que deve ser seguido para que uma fazenda seja desbloqueada. Neste caso [referente à fazenda Santa Ana], no ano seguinte, o agricultor comprovou o cumprimento da Moratória da Soja, que foi validada pelas organizações governamentais e ONGs. Como resultado, em junho de 2022, o agricultor foi retirado da lista de embargos da Moratória da Soja e, portanto, desbloqueado no sistema da Cargill. O fornecedor continua em conformidade com as regras da Moratória da Soja. ”  

Este caso não é uma exceção e destaca as falhas fundamentais nos sistemas de monitoramento de desmatamento relacionados à soja e nos mecanismos de aplicação da Cargill, levando ao risco de contaminação da soja da Cargill vendida em todos os setores de agricultura, alimentos e varejo do Reino Unido. 

Glenn Hurowitz, fundador e CEO da Mighty Earth, disse: 

A Cargill afirma que colocou a fazenda Santa Ana de volta em seus livros em junho de 2022, pois cumpriu todas as regras necessárias e, no entanto, menos de três meses depois, investigações documentaram incêndios ilegais e desmatamento na fazenda.”  

“Se a Cargill, a maior empresa privada dos EUA, quer ser parte da solução para a crise climática e da natureza, ela precisa se abastecer de fornecedores que cultivam em terras anteriormente degradadas, das quais existem 1,6 bilhão de acres na América Latina. Não daqueles que ainda estão incendiando florestas.” 

“Isso também significa aumentar urgentemente sua ambição em linha com seus concorrentes e clientes de varejo e antecipar sua meta de desmatamento para 2025. Não podemos permitir mais sete anos de desmatamento se quisermos salvar o que resta da Amazônia e evitar os piores impactos das mudanças climáticas.” 

Gemma Hoskins, Diretora Sênior (Reino Unido) da Mighty Earth, disse: 

“O ‘business-as-usual’ não é uma opção se quisermos enfrentar a emergência climática. A Tesco deve se comprometer a fornecer apenas de empresas que não coloquem a Amazônia e outros biomas importantes em risco. Isso significa cortar os laços com a gigante de commodities dos EUA, a Cargill.” 

22/Jul/2024
U.S. and European Carmakers Drive the Transition to Sustainable Steel, While Asian Automakers Lag Behind
18/Jul/2024
A post-Chevron strategy for protecting the environment
16/Jul/2024
Better protecting people and forests in the race to electrify